Faculdade cristã mantida pela Portas Abertas apoia cristãos sul-sudaneses

País: Sudão do Sul

Cerca de 500 pessoas transitam pelo terreno da chamada Faculdade Cristã Emanuel, construída com o esforço de muitos irmãos que enfrentaram a fome e a dificuldade de estudar a Palavra de Deus em um país que já passou por muitas crises. Ao longo dos anos, eles têm recebido a ajuda da Portas Abertas; auxílio que só é possível ser entregue graças aos diversos parceiros, ao redor do mundo, que se mobilizam em favor da causa da Igreja Perseguida.

A Faculdade é um refúgio para muitos alunos. Alguns chegam com o mero intuito de sobreviver. São convertidos que escaparam da morte, como o Mohammad. Ele vivia no Sudão, e sua casa era uma mesquita. Quando se converteu, a família começou a persegui-lo e ele fugiu. Chegando à Faculdade, Mohammad aprofundou seu conhecimento da Palavra e agora busca uma forma de compartilhar o evangelho com sua família.

Mas, não é só de pastores perseguidos que vive a Faculdade. Ruth é esposa do antigo diretor da Faculdade, e está envolvida em um ministério muito especial: reconciliação.

O Sudão do Sul é considerado um país de maioria cristã, em contraste com seu vizinho do norte, que é muçulmano. No entanto, a maioria das tribos em que essa nação se divide adotou o cristianismo apenas formalmente. A prática religiosa e os valores que regem o dia a dia na tribo são animistas, baseados nas tradições dos antepassados.

Da mesma forma, o fato de o Sudão do Sul ser considerado um país não é o suficiente para unificar as dezenas de tribos de seu território sob uma mesma bandeira. Cada uma tem sua língua e cultura e, pior que isso, muitas guerreiam entre si por causa de gado, terras e jogos de poder. Esse é o pano de fundo para o trabalho de Ruth.

Preocupada com a educação das crianças que viviam na Faculdade, filhos de alunos e funcionários, Ruth começou um ministério com as mulheres, pois são elas que cuidam dos filhos em casa e na igreja, como acontece no Brasil.

Mas Ruth percebeu que havia um problema entre elas. A inimizade entre suas tribos era grande demais para que pudessem conviver, mesmo sendo elas cristãs. O trabalho de reconciliação começou aí. Essas mulheres foram ― e estão sendo ― ensinadas a amar. Elas dividem o quarto com mulheres de tribos inimigas. Fazem tarefas juntas, servem umas às outras. Dividem a mesa e o pão. As marcas físicas que carregam em seu corpo, identificando a qual tribo pertencem, dão lugar pouco a pouco para as marcas de Cristo, que as identificam agora como membros de uma mesma família.

Ao formar profissionais dotados de valores cristãos e promover a união de mulheres, firmadas cada dia mais na Palavra de Deus, a Portas Abertas visa fortalecer a Igreja e, como consequência, o país.

Pedidos de oração

  • Ore pela atuação da Portas Abertas no Sudão do Sul, e por cada estudante que se dedica a conhecer a Palavra de Deus na Faculdade Cristã Emanuel.
  • Peça ao Senhor para que os cristãos sul-sudaneses consigam viver sob os verdadeiros valores cristãos, para que sejam fortalecidos em sua fé e possam impactar suas famílias, o Sudão do Sul como um todo, e também seu vizinho ao norte, de maioria muçulmana.
  • Interceda pelos colaboradores de campo da Portas Abertas, que levam apoio aos cristãos perseguidos que vivem no mundo muçulmano. Ore para que o seu trabalho dê muitos frutos.

fonte: Missão Portas Abertas