Família: Igreja na casa

A família é como a igreja na casa. Temos que ordenar nossa mente e ajustar o nosso coração para compreendermos isto e vivermos de acordo com esta verdade. Quando recebemos esta revelação e a colocamos em prática, o bom perfume de Cristo será exalado em nossas casas.

O marido é como o líder, a esposa é como um integrante do núcleo e os filhos são os discípulos. É uma comparação com a nossa estrutura de igreja na casa, não uma substituição dela, mas sim que devemos saber que existe uma igreja na casa, todos os dias, e esta igreja é a família. Lc 1.17; Ef 5.25-28; Pv 1.8;

Com este entendimento e revelação da parte do Senhor, devemos instruir os pais a assumirem a sua responsabilidade na formação dos filhos, temos que estabelecer as juntas familiares. Temos que levá-las a funcionar, quem sabe devemos “criar os discípulos e discipular os filhos”, assim teremos metas para eles, ensino de sustentação e de crise, iremos catequizá-los, sair com eles para pregar, visitar contatos, orar juntos,  etc.

Para que isso aconteça, temos que prover no encontro da igreja na casa a supervisão dos pais. Devemos ter mais um grupo dentro do encontro da casa (fundamento, inicio de serviço, multiplicação, pais).

Vejamos algumas coisas simples que devemos praticar, com perseverança, simplicidade e continuidade. Isto é o que deverá ser supervisionado nas casas:

1. O culto doméstico

  • Deve ser diário– devemos fazer todo o esforço para que seja diário, pois os nossos filhos e nós mesmos somos bombardeados, todo o instante, pelo mundo com as suas ofertas. Quem encontrar dificuldades para realizá-lo todos os dias, busque a excelência e não a mediocridade.
  • Com todos juntos– devemos fazer um esforço enorme para conciliarmos os nossos horários, devemos olhar a agenda de todos para que possamos estar, pelo menos, um momento do dia, juntos, na presença do Senhor;
  • Não necessita ser longo– o tempo não é importante, mas sim a continuidade e a freqüência;
  • Sugestões do que pode ser feito(não necessitamos fazer tudo, todos os dias):
    • Oração com alvos – estabelecer os alvos para a vida de cada um: caráter, saúde, pedidos pessoais, etc.
    • Oração com imposição de mãos – na Escritura vemos a importância da imposição de mãos das autoridades, para abençoar; devemos fazer isto para declarar a benção de Deus sobre os nossos filhos;
    • Leitura da palavra ou de uma apostila/livro – pode ser uma leitura simples e em seqüência, ou variada.
    • Ensino de algum tema específico – abordar um ensino importante, como compromisso para o casamento, proclamação, juntas e ligamentos, etc;
    • Catequese– é um bom momento para memorizarem juntos algumas verdades;
    • Participação dos filhos – como em todo o encontro é fundamental a participação de todos, escute o que eles tem entendido dos princípios, abra para perguntas sobre os temas, etc;
    • Ceia do Senhor – só devem participar da ceia os que foram batizados, os que ainda não foram, aproveita o momento para mostrar-lhes o quanto será maravilhoso o dia em que participarão dela;
    • Alvos para proclamação– estabelecer para quantas pessoas irão proclamar durante a semana;
    • Jejum– estabelecer um dia para o jejum familiar;

2. O dia da família

  • Uma vez por semana– o ideal é que seja um dia inteiro, mas se é impossível, então separe uma noite só com a esposa e depois um período de outro dia só para os filhos, mas faça;
  • Só com a esposa e os filhos- ninguém mais, mas ninguém mesmo, tem que ser radical.
  • Sugestões do que pode ser feito:
    • Brincadeiras, jogos;
    • Passeios, planejar algo agradável para todos;
    • Cozinhar juntos;
    • Contar histórias da família – lembrar situações engraçadas e momentos importantes;
    • Assistir alguma coisa juntos;

3. Valorizar as datas

  • Aniversários– é um dia para lembrar, é um dia importante para mostrar a alegria que temos de conviver com aquela pessoa, fomos presenteados com aquela vida.
  • Dia da mãe, do pai– alguns criticam esta data por ser comercial, feita para gastar, mas podemos utilizar, a data, para honrarmos, mais uma vez, os nossos pais;
  • Aniversário de casamento – uma data especial deve ser comemorada como tal; o importante não está em fazer algo grandioso, mas sim em fazer alguma coisa; a lembrança é a demonstração da importância que damos para aquele dia;
  • Natal– tenho visto muitas manifestações contra esta data, mas podemos fugir do consumismo e do paganismo e transformá-la em benção. Podemos fazer dela um momento familiar, com ceia, contarmos histórias, e usarmos para recordar a primeira vinda do nosso amado Jesus;
  • Batismo– se o que conta é o nascer de novo, porque não valorizarmos a data em que fomos enxertados em Cristo? Creio que seria de bom tom fazermos isto, é uma lembrança do momento especial que tivemos e da aliança que firmamos;

Deuteronômio 6.6-9 nos exorta: “Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas”.

Palavra radical, para homens e mulheres radicais em obedecer ao Senhor!

         Existe uma igreja em minha casa, todos os dias tenho que buscar a direção de Deus para ela!

fonte:  Mario Roberto Fagundes

Candidato a servo inútil